Pular para o conteúdo principal
Eleição divina, a escolha da graça


Na igreja protestante, há dois segmentos: o Calvinismo e o Arminianismo. O Calvinismo enfatiza a eleição divina; o Arminianismo o livre arbítrio humano. O Calvinismo ensina que Cristo morreu para efetivar nossa salvação; o Arminianismo ensina que Cristo morreu para possibilitar a nossa salvação. Para um arminiano Deus escolhe o homem para a salvação, quando este crê; para um calvinista o homem crê porque foi escolhido. Vamos, examinar, agora, à luz de Efésios capítulo 1, versículo 4, a doutrina da eleição: “Assim como nos escolheu, nele, [em Cristo], antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele…”.

Em primeiro lugar, o autor da eleição. Deus é o autor da eleição e não o homem. Foi Deus quem nos escolheu e não nós a ele. Na verdade, jamais poderíamos escolher a Deus. Estávamos mortos em nossos delitos e pecados. Éramos ímpios, fracos, pecadores e inimigos de Deus. Por isso, a escolha de Deus é incondicional. Deus não nos escolheu por causa dos nossos méritos, mas apesar dos nossos deméritos. Deus não nos escolheu porque éramos bons, mas apesar de sermos maus. Deus não nos escolheu porque cremos em Cristo; cremos em Cristo porque Deus nos escolheu (At 13.48). A fé não é causa da eleição, mas seu resultado. Deus não nos escolheu porque éramos santos; Deus nos escolheu para sermos santos. A santidade não é causa da eleição, mas sua consequência. Deus não nos escolheu por causa da nossas boas obras; Deus nos escolheu para as boas obras. Somos feitura de Deus, criados em Cristo Jesus para as boas obras.

Em segundo lugar, o tempo da eleição. O apóstolo Paulo diz que Deus nos escolheu antes da fundação do mundo. Não havia em nós qualquer mérito que justificasse essa escolha, uma vez que Deus colocou o seu coração em nós antes de nós colocarmos nosso coração nele. Sua escolha foi livre, soberana, incondicional e cheia de graça. Ele não deixaria de ser Deus pleno e feliz em si mesmo se não tivesse nos escolhido. Mas, ele, por amor, nos amou com amor eterno e nos atraiu para si com cordas de amor. E isso, desde os refolhos da eternidade. Ainda não havia estrelas brilhando no firmamento. Ainda os anjos de Deus não ruflavam suas asas cumprindo as ordens suas ordens. Ainda o sol não havia dado a sua claridade, e Deus já havia nos amado e nos escolhido para a salvação.

Em terceiro lugar, o agente da eleição. O apóstolo Paulo diz que Deus nos escolheu em Cristo. Ele é o amado de Deus, o escolhido do Pai. Nele somos amados. Nele somos eleitos. Nele somos perdoados. Nele somos remidos. Nele somos salvos. Não há salvação fora de Cristo. Não há nenhum outro nome dado entre os homens pelo qual importa que sejamos salvos. Jesus é único caminho para Deus. Ele é o único Mediador entre Deus e os homens. Jesus é a porta do céu. Não há eleição fora de Cristo. Vivemos pela sua morte. Somos purificados do pecado pelo seu sangue. O mesmo Deus que escolheu nos salvar, elegeu também nos salvar por intermédio de Cristo. Ninguém pode ser salvo e ninguém pode confirmar sua vocação e eleição, a menos que se renda a Cristo e o confesse como Salvador e Senhor.

Em quarto lugar, o propósito da eleição. O apóstolos Paulo afirma, categoricamente, que Deus nos escolheu em Cristo, para sermos santos e irrepreensíveis. Se o autor da eleição é Deus, se a causa da eleição é a graça divina, se o agente da eleição é Cristo, o propósito da eleição é a santidade. Deus não nos escolheu para vivermos no pecado; mas para sermos libertos do pecado. Cristo não morreu para que aqueles que permanecem em seus pecados tenham a vida eterna; ele morreu para que todo o que nele crê seja santo com Deus é santo. Se a santidade não é a causa da eleição, é sua evidência mais eloquente. Ninguém pode afirmar que é um eleito de Deus, se não há evidências de santidade em sua vida. Por isso, a Palavra de Deus é oportuna em nos exortar: “Por isso, irmãos, procurai, com diligência cada vez maior, confirmar a vossa vocação e eleição…” (2Pe 1.10).


fonte:  http://hernandesdiaslopes.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO DEUS ME OLHA

Humildimente servo Eleázer Souza

Quando ele me olha não vê o super cristão
Quando ele me olha não sou o super protegido
Quando ele me olha não sou o mais santo, o mais perfeito
Não vê aquilo que queria que eu fosse
Não vê um homem merecedor de glórias
Quando ele me olha não vê um grande homem, mas um grande pecador
Quando ele me olha . Ah quando ele me olha!
Seu olhar se enche de compaixão porque em mim não há bem algum
Em mim não há poder
Em minhas palavras não há poder,não sou portador de grandes dons
Não faço cair fogo do céu
Não transformo água em vinho
Não transformo pedra em pão
Não transformo noite em dia
Não posso apagar meus pecados
Sou apenas EU
E quem sou eu?
Uma criatura formada com grande amor mas desvirtuada não guardei a inocência inicial
Não guardei os dez mandamentos, não guardei todos seus ensinos
Não entendi todas suas palavras, não fiz tudo que era preciso
Não estive em todos lugares que tinha que estar
Não ouvi tudo,não guardei tudo, entendi pouco
Estou nu diante d…

baseado nos escritos de Salomão

o tudo/ Eleázer Souza- autor


TUDO QUE É NOVO JÁ FOI VELHO
TUDO QUE PASSA JÁ FOI ETERNO
TUDO QUE É JÁ FOI PRA SEMPRE
TODO SEMPRE É ETERNAMENTE
TODA MANHA JÁ FOI UMA TARDE
TODA TRISTEZA JÁ FOI UM DIA
TODA ALEGRIA TODA ALEGRIA
TUDO QUE VEJO NEM TUDO EXISTE
NEM TUDO QUE TOCO FAÇO PARTE
NEM TODA PARTE FAZ PARTE DO TODO
NADA É SÓ, NADA É TUDO
NADA É DE MENOS QUE NÃO TENHA ESPAÇO
NADA QUE EU DIGA NADA QUE EU FAÇO
NADA QUE É FEIO NÃO É ETERNO
NA METADE DO MEIO
NO MEIO DO INVERNO
NADA QUE EU TENTE
NADA QUE EU PENSE
TUDO JÁ FOI ETERNAMENTE
TUDO ESCRITO TUDO PASSADO
TODO DESIGNO TUDO ULTRAJADO
TUDO É NOVO, “NADA” É VELHO
TODO PROCESSO DO ESCARAVELHO
TODA VERDADE TODA MENTIRA
TODA SAUDADE DA POESIA
TODO ESCRITO, TODO DESFECHO
TUDO TERMINA TUDO QUE EU DEIXO
NADA QUE EU POSSA
E TUDO QUE EU SINTA
VAI VOAR POR AÍ
VAI ACHAR SEU LUGAR
E VAI PASSAR, PRA SER ETERNO
VAI SER ETERNO PRA TER UM FIM.

O CICLO CONTINUA

O Ciclo/ Eleazer Souza- autor

Pois bem, estou sempre querendo escrever algo interessante, isso é pra mim é um desafio, não consigo vencer a barreira do crescimento, mas vou indo meio que atrás, exaustivo catando fios de curiosidades dessa mega conjunção apocalíptica.
Não posso dizer todo dia, mas a cada instante o homem vai incrementando seu mundo comportamental, e me parece que repensar é um verbo necessário pra toda hora.
Com isso nossas tradições vão sendo vencidas, vão sendo exauridas na contrapartida de não podermos ter laços muito fortes.
Isso traz uma interpretação de infidelidade, pois já não temos certezas do que estamos buscando ou correndo atrás; sobreviver, viver, sonhar, ou se o ciclo se repete na construção pré fragilizada da nossa existência na linha do tempo.
Esse tempo que soberano é, o mesmo em que vivera vidas passadas, outrora sonhadora passiva de um ideal eterno, onde no berço da memória repousam a mente exausta.
Ca vamos nós trilhando nossas estradas, faze…